terça-feira, 5 de maio de 2009

O preço que se paga.

Ah, infortúnio. Não poderiam ter-me construído uma morada mais insalubre. Aqui é escuro, úmido, apertado. Mal posso me mexer. Mas é o preço que se paga.

É quente, aqui. Apesar disso, minhas mãos estão insuportavelmente frias e rígidas. Como tudo em mim, afinal. Meu corpo não parece reagir a esse ambiente. Sinto-me adormecida, por completo, como se uma anestesia geral me houvesse sido aplicada.

Sequer me brota algum sentimento. Meu coração não pulsa, não bombeia para o meu ser nenhuma espécie de emoção. Já não sei o que é raiva, ódio, amor, compaixão, nada, nada. Parece que me esqueci de como se sente. Só sei o que é indiferença. Nesta, sou perita.

Esqueci-me também de como se respira. Minhas narinas estão imóveis. Meu peito não arfa. Já estou acostumada à escuridão, embora esteja aqui há poucas horas. E, mesmo que não estivesse, teria uma eternidade para isso.

Estou condenada à inércia e ao breu. Estou ainda mais sujeita à ação do tempo. Estou vinte e três gramas mais leve, embora não aparente. Estou fadada ao esquecimento. E condenada à eternidade. É o preço que se paga por estar a sete palmos da superfície, encimada por um "aqui jaz" de mármore. É o preço que se paga por morrer.

10 comentários:

Eduardo Leite disse...

Caralho, adorei. Muito bom!

historiapracontar disse...

Inspirada hein?
eu realmente me senti em um túmulo.
ai ai...
muitas coisas passaram na minha cabeça agora!


^^
;*

Lah. disse...

aah, a indiferença...

adorei, adorei o texto!
=*

Lipo de Alcantara disse...

Ao que parece, não fui o único a morrer.

Lonely Wolf disse...

Não morra, maninha!

Sarinha disse...

"Estou condenada à inércia e ao breu."

Ninguém está! ;)
é aquilo mesmo... aponta p fé e rema ;)
:*****!

Rafa disse...

Tenho medo de você, milady XD Os textos continuam ótimos, mesmo que a trilha sonora não tenha batido quando eu estava lendo o último (começou a tocar Love Today no seu midi... XDXDXD) Mas, de qualquer maneira, estou só repetindo a constatação do talento da senhorita. Já atualizei o blog da sala e vou pra o meu, tentar me inspirar pra escrever... Nos vemos hoje à noite, Lud! kissus

Tay disse...

Como sempre me surpreendendo! *-*

Nelson disse...

se quincas borba não tivesse esquecido da morte, seria assim?

crap disse...

ora, não se preocupe com os 23 gramas perdidos. é muito mais divertido emagrecer aos poucos com as bacterias nos devorando por dentro, por fora, por todos os lados.
é muito, mas muito mais divertido emagrecer com vermes passeando onde antes passeavam os pensamentos.