sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Singela canção para Ana

Sai do quarto, Ana, e vem ver o mundo que pode te fazer feliz. É verão, faz calor, a cidade se enfeita de sol e de gente e só você não vê. O mundo quer te ver, Ana, eu quero te ver também.
Você já viu a forma como a lua se reflete no mar? Parece um espelho, Ana. Parece um espelho e o vento salgado que vem da praia envolve o nosso corpo e esquece na gente o cheiro do mar. E as ondas, Ana, você já ouviu? As ondas que quebram na areia e a gente não sabe se é fúria ou carícia? Está tudo lá, Ana, e lá estão todas pessoas a ver e cheirar e sentir e só você se enclausura nesse castelo que me priva de você e que te priva de si mesma.
As pessoas, Ana. Os rostos que se fundem num mar colorido de gente, distinto e indistinto. São tantas nuances e formatos, Ana, quem me dera memorizá-los. Vez em quando eu pesco um sorriso gratuito ou outro, gente que sorri só por sorrir e gente que passa o sorriso adiante e assim o dia ri mais. Aí o riso chega em mim e eu choro, Ana. Eu choro por não poder repassá-lo a você.
Sai desse quarto, Ana, vem ser da gente. Vem ser só sua ou de quem quiser, mas vem ser. Enclausurada você não é, Ana, enclausurada você não vive, só existe. Sai daí e vem ver as feridas abertas da cidade, os esgotos e a miséria, a música e a dança e tudo o mais que existe além da janela. Vem ver a gente que te ama e que de amor não depende, mas se alimenta. Vem ver a gente que quer te ver. Porque com você aí a vida continua, Ana, segue o mesmo rumo de sempre, no mesmo andar morno de sempre... Mas com você, Ana, ela para pra te ver passar.

E sem isso, Ana, não dá pra viver sem. 

7 comentários:

Uiberon disse...

Sucinto e belo, as imagens fazendo o pensamento se perder na diversidade do viver. Gostei.
Vem, Ana, vem pra rua, vem. É o momento.

nelson netto disse...

"Parece um espelho e o vento salgado que vem da praia envolve o nosso corpo e esquece na gente o cheiro do mar."

esse envolver e esse esquecer, foi lindo demais, véi :~~~ queria ter escrito! fodão!

"Vez em quando eu pesco um sorriso gratuito ou outro, gente que sorri só por sorrir e gente que passa o sorriso adiante e assim o dia ri mais."

gostei muito disso e depois do choro por não poder sorrir pra nada. ficou sincero e bonito sem cair na pieguice.

"Vem ver a gente que te ama e que de amor não depende, mas se alimenta."

é que nem carne. dá pra viver sem, tira o sabor da vida, véi. bela frase.

gostei muito, luds! se eu fosse ana, saía de casa só pra te abraçar e voltava (ou não). =*

crap disse...

Adorei a repetiçao do nome da ana, faznedo com que a narrativa assumisse um tom mais intimo, um tom de preocupaçao/liçao com/para ana.

Concordei muito com o nelson sobre o envolver e esquecer: excelente palavras.

Excelnte texto, lud.

estacaodaschuvas disse...

Acompanho o Pv e o Nelson nessa.

Texto muito bom.

Gracielle disse...

Chega dá vontade de ser Ana.

Rafaela disse...

Dear Prudence + Maceió

Vem ver o mundo que pode te fazer feliz, Ana :D

Felipe Alcantara disse...

Ana... Ana... E se essa Ana fosse Felipe?!
A banda tocando na rua e a gente da janela vendo ela passar.
E quando a gente se dá conta já passou...
(Como um boi...)