quinta-feira, 18 de abril de 2013

Requiem

(Esse texto é o resultado do desafio interblogs que fiz com mais três amigos blogueiros. É baseado no conto Strange Gifts, de Rafaela Albuquerque. A citação em itálico é do livro O Retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde). 
 

“Ela não pode estar morta”, ele pensou. “Ela não pode estar morta e ainda assim ser tão linda. Não... Ela está dormindo... Ela só está dormindo”.

Ele estendeu a mão para a aquarela. Dourado, azul, negro, verde, branco, vermelho. Encarou a tela vazia. Com as mãos trêmulas, ele começou a desenhar o contorno com lápis fino. A cada detalhe que lhe vinha à memória, seu traço ganhava mais precisão. Ele tinha que fazer aquilo, ou enlouqueceria.

Branco para a pele. A pele... Ele se lembrava de como ela parecia translúcida quando saía ao sol. Um halo a envolvia e sua imagem dançava no ar, etérea, um misto de anjo e miragem. Ele se lembrava de como o sorriso dela tinha o poder de fazer o mundo girar ao contrário e de como tudo que era vivo prendia a respiração para vê-la dormir. Ele se lembrava do cheiro e do gosto e do toque e da maciez. Ele lembrava bem demais...

Dourado, o dourado dos cabelos. As pinceladas deslizavam pela tela, criavam texturas, tomavam forma e ele lembrava. Ela nunca cortava os cabelos. Eles lhe caíam pelas costas em ondas, como um véu, ou uma coroa lhe dada por direito pela própria natureza. Ela costumava dizer que queria ser Rapunzel e o perguntava, com a voz doce, se ele a buscaria na torre mais alta. “Na torre mais alta do castelo mais alto”, ele respondia. A lembrança o fez rir.

 “Ela só está dormindo”.

Os olhos. Os olhos tinham aquele tom de verde que nenhuma tinta do mundo era capaz de reproduzir. Não quando ela conseguia imprimir no olhar a intensidade que quisesse. Escuro, quando ela tinha medo; azulado, quando ela estava curiosa; líquido, quando ela se contorcia sob ele, quase todas as noites em que estiveram juntos. Não... Os olhos dela eram impossíveis de pintar. Ele mergulhou o pincel na tinta e desenhou com cuidado o côncavo dos olhos, os cílios compridos, a sobrancelha delicada. Os olhos dela estavam fechados.

 “Mas ela está dormindo”.

O vestido. Negro. A cor que ela mais detestava. O castigo por tê-lo enlouquecido. O contorno dos seios, os mesmos seios que ele flagrou entre as mãos e os lábios de outro homem, os corpos tão enroscados que era impossível de dizer quem era quem. E diante da exclamação de mágoa, decepção e fúria que ele soltara em reação à cena que vira sem querer, ela apenas o encarou, com frieza nos olhos verdes mais lindos que ele havia visto, e o mandou embora.

Como se nada houvesse acontecido. Como se o que havia sido deles fosse nulo. Ele se lembrava do fogo que havia se irradiado do seu coração para seus braços, lembrava do impulso que o tomou como se um demônio se apropriasse das suas vontades, e lembrava de como quis feri-la, arranhá-la, machucar aquela pele alva, quase imaculada. Ele quis fazê-la sofrer e ao mesmo tempo quis tê-la de volta, com o desespero de quem se agarra à vida. Tudo o que recebeu foram aqueles olhos frios e sem amor. E a frase, que ela retirara de um livro qualquer – como se, mesmo no auge da humilhação, ele não merecesse nada que viesse genuinamente dela. Inexorável feito um final.

Há sempre algo de ridículo nas emoções de quem deixamos de amar.

Ele lembrava e pincelava o quadro com violência. Mergulhou o pincel na tinta vermelha e abriu nela feridas, fê-la sangrar o sangue que ele sentia jorrar de si mesmo. No fim, quando o relógio revelava que ele havia passado ali a noite inteira e quando os primeiros tons de lilás começavam a se misturar ao negro do céu, ele a olhou, como se encarasse a própria redenção. Era aquele o seu castigo: jazer para sempre congelada no seu traço vingativo, num estado de animação suspensa entre a vigília e a morte.

Uma lágrima pareceu escorrer do rosto dela. Ele levou a mão até os olhos e percebeu que também chorava. Pegou o quadro, ainda úmido de tinta, e beijou sua pintura na testa.

— Durma bem — sussurrou.
 
 

8 comentários:

Rafa disse...

Embora eu esteja ligeiramente irritada pela presença desse gif do inferno, o texto ficou interessante xD A ideia de focar na backstory por trás do conto foi bem desenvolvida, e gostei da forma como você expôs os sentimentos envolvidos na produção artística... Afinal, acontece com mais frequência do que estamos confortáveis em admitir, hm? =p

Marco Fischer disse...

Muito bem estruturado e escrito, acho que foi uma das melhores coisas que saiu desse desafio.

nelson netto disse...

muito bom! achei os dois textos muito fodas!

"Eles lhe caíam pelas costas em ondas, como um véu, ou uma coroa lhe dada por direito pela própria natureza."

achei isso muito legal, bem como as lembranças dele em meio à produção e a citação, que coube muito!

bela execução. um dos seus melhores.

Marden disse...

Ótimo texto. Um dos seus melhores.

A imagem, no entanto, é absolutamente desnecessária.

Uiberon disse...

Dizer que gostei seria pouco. Este, em especial, me passou uma gama de sentimentos bem fortes. A dor, o gostar, o ódio, todos eles bem trabalhados na minha opinião... A frase do livro bem (dolorosamente) encaixada. E o final pendente ao leitor. Soou muito profissional no meu ver. Mesmo ainda tratando de amor, saiu da sua zona de conforto, e produziu um texto belíssimo. Parabéns, Lud. =]

Victor disse...

Rapaz, percebi umas pinceladas (rarara) de devaneio simbolista pela temática - que aliás, tava na ordem do dia quase ao mesmo tempo que o decadentismo do Dorian Gray -, só que o texto experimenta mais com a ação do que com os sons propriamente. Cruz e Souza curtiria velada e veludosamente!!

crap disse...

"A lembrança o fez rir." achei essa a parte mais foda do texto porque... sem as lembranças a pintura não teria começado, sem a vontade de tê-la novamente nada teria acontecido.
e o desenvolvimento ficou muito bom, muito inteligente. como ele descobre sentir raiva por ela, como ele transforma a saudade em vingança. muito bom.

e "Há sempre algo de ridículo nas emoções de quem deixamos de amar." foda.

Ari Denisson disse...

Que gif pavoroso! aehaehaea

Interessante.

Houve um ou dois momentos de cuja solução narrativa eu não gostei. Não quis falar porque os demais já falaram o que eu falaria.