sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

A Valsa dos Sonhos Tortos

Fim, ele disse. Fim, eu concordei. E atalhei que o fim dele era diferente do meu. Meu fim não permitia concessões. Era absoluto. Senti a vontade dele vacilar e meu íntimo espelhava o mesmo quadro. Não era aquele fim que eu queria. Na verdade nenhum fim chegava perto do que eu queria, porque eu não queria fim nenhum. Mas se fim era o consenso, que fosse do meu jeito.

Findamos. Ele se foi, triste como quem acaba de decretar o fim de algo. Eu fiquei, triste como quem acabou de ouvir o decreto da própria morte. E o expulsei da vida. Mas não de mim. Em mim ele ficou e eu me pus a contar o tempo feito compassos de valsa, um dois três, um dois três. O tempo descompassou, meu coração perdia a velocidade. Comecei a pensar se o fim dele se estenderia a mim. Se ele podia nos findar e tentar outros inícios, por que eu não conseguia findá-lo dentro do coração?

Um dois três, um dois três.

Uma pausa de mil compassos, por favor.

Já não havia mais acordes praquela valsa desajeitada. E olha que eu a considerava minha masterpiece. Mas o compositor sabe quando tem de parar, quando as dissonâncias fazem doer os tímpanos e quando as repetições criam em qualquer ouvinte o desejo do silêncio. Escrevi a nota final e mudei de partitura. E de clave.

12 comentários:

Rafa disse...

Outro texto lindo, não é? =P Cada vez você encontra um jeito novo de tratar desse tipo de sentimento com palavras inesperadas. Meus parabéns.

estacaodaschuvas disse...

Poxa, ficou bacana.
Curtinho e expressando o que precisava em poucas palavras.

dEREK disse...

Lud, adorei o texto!!!!!!!!

Eu sou meio "lento" pra entender esses textos mais profundos (pergunte pro Lenadr e pro Hiago sobre nossas "discussões" a respeito dos textos mais "cabeça" dos blogs deles!), mas você escreveu de uma forma tão clara que torna impossível não captar o que você quis dizer, o que você estava sentindo e etc etc (profundo, hein?!?!?! =D)

Bj

dEREK disse...

Onde se lê "Lenard" leia "Leandro" (tudo a ver um com o outro, hein?!?!? =D)

JaqueFonseca; disse...

Chega uma hora que a gente tem que mudar de ritmo, de melodia, de música, de instrumento, de tudo...
Até a dança e o compasso precisam ser modificados pra sempre talvez.

Eduardo Leite disse...

Que milagre é esse que o texto foi pequeno? kkkkkkkkkkkkkkk (a) Adorei! Ainda quero descobrir como você faz pra escrever assim, tão bem :X

M.Henrique Leite disse...

Destoar da música é bem normal. É só pegar, novamente, o compasso depois. =)

Belo texto, Moça =)

Ana disse...

Faz parte da vida.

Seu texto me lembrou alguns momentos meus...

nelson netto disse...

gostei!
você foi breve e precisa.

=**

Marcus Vinicius disse...

Me emocionei. Chorei um pouquinho. Lembrei oq não queria lembrar e senti oq pensei não sentir mais...

Vc escreve bemprakraleo!

crap disse...

mudar é sempre bom. gosto dos teus textos, lud. apesar de eu demorar a ler teus textos, eu gosto deles mesmo.

crap disse...

é que vc é a mulher que parece saber que mulher é foda... que faz um mal da porra e ainda assim é algo que o homem gosta. é algo assim.