quarta-feira, 23 de setembro de 2009

See ya.

Pensei em dizer milhares de coisas naquele momento, que eu sabia ser o último a poder ser chamado de nosso - em que eu era tua e você era meu. Eu procurava palavras, palavras que não soassem estúpidas, piegas ou que não te fizessem julgar-me louca. Foi inútil. Elas que sempre me foram a companhia mais insistente eram também traiçoeiras e fugiam-me quando eu as procurava ansiosamente, beirando o desespero de quem não quer ser esquecido.
Diante do peso daquele momento, o último de tão poucos, emudeci.
A vida é traçada à régua e compasso pelo milenar ritual do princípio, do meio e do fim. Nada pode fugir a essa regra. E ainda assim pareceu-me tão estranho que nosso destino fosse o 'nunca mais', simples e definitivamente. Aquele adeus era prematuro demais para ser real, meu bem... Eu queria te ver de novo. E não sei se há alguma explicação compatível com o sentimento que você me forçou a criar, de forma tão rápida, tão inesperada.
Mas você me disse, a expressão nos olhos escuros quase idêntica à minha, "não é um adeus. É um até logo. Eu volto. Tenho certeza que volto. Está bem?". Eu ri meu riso que era ao mesmo tempo descrente, triste, encantado, e aquiesci.
Talvez você volte mesmo, não tenho dúvidas. Mas talvez o 'nós' que existiu fique encerrado no nosso adeus, para sempre.
O vento marinho açoitava meus cabelos e uma chuva fina e gelada nos cobriu. Você segurou meu rosto como se segurasse algo muito delicado, contornou meus lábios com suavidade e me beijou.
"See ya", você sussurrou.
Fiquei com seu gosto na boca pelo resto da noite.

12 comentários:

crap disse...

o milenar ritual do começo meio e fim um dia terá seu fim como tudo mais.
mas não terá ninguém aqui para vê-lo acabar...
e por menor que seja o adeus, o tchau, o até breve, ele machuca. "everytime we say goodbye I die a little." é uma boa música essa...

texto bom, ludão. bem bom. você encontrou as palavras aí, ó. por mais que elas fujam de ti, você consegue capturar as melhores pra ti.

Rafa disse...

Voltou com tudo, não foi? :P As palavras te fugindo é algo que eu ainda não vi nesse blog... Eu sei que até agora, elas não fugiram, vieram correndo como cachorrinhos a cada vez que você chamou (XD) Tu sabe escutar os sussurros, menina... E sabe fazer música com esses textos, no ouvido de quem lê. Continue assim, viu?

beijo

Eduardo Leite disse...

Adorei o seu "retorno". Como sempre, muito bem escrito. Parabéns ;*

Isaac Moraes disse...

Ler isso ouvindo Ângela Rorô... quando se está sensível, não é recomendado pelo Ministério dos corações partidos.

Lud sempre me comove.

Tay disse...

Eu sei pra quem é. ;x

Como sempre, me surpreendendo. =D

estacaodaschuvas disse...

Tô com o pv, você conseguiu capturar as palavras certas dessa vez.
Ficou bom, você conseguiu fazer um belo texto, sem exageros.
E as descrições detalhistas me deixaram bem orgulhoso.

Nelson disse...

poxa lud...
muito bom o texto!
acho que você se superou. eu fico tenso toda vez que alguém diz "foi o seu melhor texto", pq eu sempre penso: "tá, valeu. mas... o que eu faço agora?!"
e agora eu vou ter que passar esse questionamento pra você.
seu melhor texto até agora.
dá pra sentir o vento litorâneo e a maresia só de ler.
sou mal, né?

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

continue assim e não continue assim, fique melhor ainda!

beijão!

Lipo J. disse...

Agora você vem aqui pra secar essa lágrima que escorreu do meu olho, vem com tudo, sou obrigado a concordar que essa é sua obra prima, talvez por tantos "talvezes", talvez por tanta coisa, talvez...

ai ai

Larissa disse...

Talvez tanta coisa.
Tudo tão verdadeiro. Gosto assim. :)

Isa Diamonds disse...

Eu não canso de dizer q vc é um dos meus maiores orgulhos... msm assim, in love.

Ler isso ouvindo Ritmo da Chuva (Rodrigo Amarante) ... quando se está sensível, não é recomendado pelo Ministério dos corações partidos. [2]

TE AMO!

Nathália R. disse...

Luud, o blog realmente faz jus aos seus escritos, ou seja muito bom mesmo! O Brasil vai ser premiado com a fantástica jornalista que você vai ser, e eu n to puxando saco não ;) A gente nunca mais se esbarrou né, to com saudades ;**

Bia disse...

Tava precisando ler isso, sério!